O que você quer ser quando crescer?

Sempre pensei em escrever um livro para crianças sobre as profissões menos citadas entre elas quando indagadas “O que você quer ser quando crescer?”. Nesta minha obra, eu comentaria sobre o brilho e importância das funções de ascensorista, pedreiro, mecânico, motorista de ônibus, o moço que vende bilhetes naquele cinema que ninguém vai, bailarina, tocador de tamborin, doméstica, forneiro de pizzaria, margarida, essas coisas menos glamourosas do que ser médico, juíz ou engenheiro civil fazedor de pontes por aí.

Acho que também incluiria ser escritor, ator, poeta, músico e esportista que não chuta bola.

Escrevo desde os 9 anos, ou até antes, isso é o que lembro. Fiz minha primeira poesia…bonitinha datada de 1990. Não que meus pais e familiares não achassem uma gracinha eu montar versinhos com rimas pobres, porém astutas e promissoras, mas senti falta de não me encorajarem a escrever.

Meu pai, artista plástico como minha avó, enchia-me de lápis de cera, lápis HB, 2B, 6B, papel canson, réguas, guaches e coleçoes da Editora Globo sobre com desenhar e pintar lindamente.

Minha mãe, prática, preocupada com meus pés tortos tratou de me matricular no ballet. E lá encostado, empoeirado, espiava-me um violão dos bons, presente de minha avó musicista aos netos que nunca se interessaram em aprender a tocá-lo e faze-lo falar.

Muito cedo percebi não ter talento para essas artes. A dança, a arte plástica, a música… por mais que todas habitassem em mim e fosse bastante ativas, nada me fazia tão feliz quando acordar no meio da noite, acender as luzes, pegar um papel e caneta quaisquer e escrever um poema. Nessa arte eu me encontrei. Mas confesso não ter me entregado a ela de corpo e alma e disciplina como deveria ser.

Estou tentando o glamour de ser juiza, para orgulho de mamãe, papai, titios e vovó.

E lá na rodoviária, de olhos nas pessoas – minha mais rica fonte de inspiração -, de repente flagrei um cena linda que durou segundos e ficou fazendo cócegas nas pálpebras por um longo intervalo. Até agora quando fecho os olhos e lembro do que vi e ouvi, lá vem elas querendo cair…

Na escala de profissões menos requintadas que citei antes, estão entre as cinco piores, ao meu ver, a de cobrador de ônibus. Não só pelo fato de viajar de lado o dia inteiro, mas sim porque viaja e para e vira e volta e vai e para de novo. Tudo de lado! E também o cidadão fica ali, às vezes tempos e tempos olhando o caminho conhecido, encarando pessoas mal humoradas e mal educadas, tentando cochilar de lado, sabendo que o seu emprego corre o risco de ser extinto caso seja adotado um simples mecanismo eletrônico, fica ali num pedestal humilhante para que todos ali observem seu ócio e a fragilidade de sua função social.

Mas ele estava sorridente. Era negro, forte e tinha uma elegante mulher que levou até ele talvez algo para comer. Desceu as escadas do coletivo com ar altivo, atenta à cria de trancinha que seguia à frente. Esta aqui, de tão contente e saltitante, lógico que me atraiu. Daí captei todo o cenário. Ela acenava para o cobrador “Tchau, papai!! Volta logo!” E lançava mil beijinhos ao ar em direção ao moço, já preparado para viajar de lado.

Orgulho da filhinha!

Lembro de tantas coisas quando falo do que as pessoas fazem e como encaram seus papéis nessa vida. Melhor parar por aqui, pois me veio à mente Beethoven e Guimarães Rosa, e as coisas que eles falaram sobre compor e escrever, o que renderia mais umas 500 linhas de outra crônica apaixonada.

“A poesia está guardada nas palavras – é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as
insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.” (Manoel Barros)

Anúncios

Sobre ruivaah

Apaixonada por livros, fotos, viagens, montanhas, bicicleta, riachos, familia, amigos e animais! Apaixonada pelo sol e pela chuva.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para O que você quer ser quando crescer?

  1. flavio notaroberto disse:

    Visito constantemente este seu blog, Renata, para ver as novidades na cabeça de minha amiga. Você tocou em algo interessante. Minha surpresa é quando minha filha, Sofia, diz para mim que quer ser artista, cantora, escritora. Me deixa feliz e responsável ao mesmo tempo. É fácil fazer um parafuso para uma máquina, como é fácil um médico, um advogado, um faxineiro; mas é complicado ser o óleo para a máquina poder fluir bem todas as engrenagens.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s