Plantar e colher

Acredito que todo gesto sincero de amor resulta em uma sobrecarga de bênçãos sobre aquele que o pratica. Tenho observado isso nas pequenas coisas e também naquelas que muito significam àquele que recebeu tal ato de amor. E também percebo que as bênçãos são instantâneas ou vêm a longo prazo. Recebi uma amiga em casa hoje para um café da tarde e gostaria de recepcioná-la com, além do café, um refrescante suco de laranja. Aqui no apartamento, no entanto, não temos espremedor de laranja elétrico. Sendo assim, comprei 10 laranjas e iniciei a penosa tarefa de espremer cada fruta, naqueles aparelhinhos de plástico que auxiliam o ser humano na substituição da máquina. Enfim, na terceira laranja eu suspeitava já ter adquirido qualquer espécie de LER nível 4. E olhava para as outras 7… e no tantinho de caldo que veio das frutas descartadas.  

Então pensei na minha amiga e como ela adora suco de laranja. E isso não fez diminuir meu trabalho nem o amenizou. Mas, de repente, as laranjas passaram a oferecer mais e mais caldo… e o suco se fez. Dois copos cheios! Eis um exemplo de bênção instantânea aplicada às pequenas coisas. Minha mãe, neste Natal, decidiu fazer o bem que ela sempre faz aos filhos da Célia, moça que trabalha lá em casa e passa por desmesuráveis dificuldades financeiras. Reuniu algumas poucas amigas, montou sacolinhas de doces, brinquedos e roupas para a maioria dos oito filhos de Célia. E fez mais. Um delicioso almoço com sorvete de sobremesa. Distribuiu os presentes em volta da nossa árvore de Natal e, um por um, foi sendo convidado para encontrar seu presente da Mamãe Noel Vera.

E no dia seguinte ela me dizia com um sorriso vitorioso “Torrei meu pagamento inteiro. Não estou nem aí!

Semana seguinte, no Ano Novo, lá estava ela com toda sua pequena família reunida. Seus dois netos, seus três filhos, seu marido, sobrinhas de verdade, sobrinhos de mentira, duas noras… e talvez o que mais ela tenha adorado foi que, por pouco, ela não passava esta data com um irmão e uma sobrinha a menos. Mas eles vieram, empacotados numa bênção, e foram o grande presente de todos nós.  Aqui está, pois, um exemplo de bênção a longo prazo aplicada a algo grandioso… que é a família unida numa noite de Reveillon.

Anúncios

Sobre ruivaah

Apaixonada por livros, fotos, viagens, montanhas, bicicleta, riachos, familia, amigos e animais! Apaixonada pelo sol e pela chuva.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Plantar e colher

  1. pepecê disse:

    valeu pelo suco, ruiva! todo sacrificio será recompensado! ou não!

    beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s