Inteligëncia

Olho para o futuro e tenho que me esforçar bastante para me enxergar trancafiada num quarto semi-escuro, cercada de livros, codigos, emendas impressas, canetas multicoloridas, preparando-me para o tal concurso publico para magistratura, um sonho novo que arrumei para me distrair. Tenho que me esforçar pois sei que ficarei la no quartinho alguns anos, ate que eu consiga passar no concuro, ganhar aquele dinheirao e, mais que isso, no meu caso, fazer cumprir a lei como sempre quis, deixando de lado o ser advogado, sempre irritantemente parcial. Todo esse medo, ai vem a referencia ao titulo, porque nao sou muito inteligente, ainda mais quando me forçam a se-lo assim, de maneira tao traumatica.

Tenho certas aptidoes, alguns dons, eu diria, em determinados e escassos ramos do conhecimento, mas nao sou daquelas que passa em vestibular concorrido, passa no concurso para escrevente, tira dez nas provas, etc etc. Digo sempre – apenas para me apoiar em algo construtivo – que nao disperdiço minha inteligencia com qualquer coisa.

Mas conheço um rapaz, primo meu, esse sim eh inteligente! O menino – insisto em ver meu pequeno, ja com 18 anos, ainda como um menino – eh musico autodidata, aprendeu a tocar piano quase que sozinho, apenas sob os esparsos ensinamentos de minha avo. E literatura… astronomia… ciencias… filosofia…. direito… religiao… musica… artes…. botanica….politica… tudo o que se pode imaginar ele sabe!

De outro lado, o queridinho ai nao sabe nada de socializaçao. Vive quieto em seu canto, selecionando bem mais do que o saudavel as pessoas a quem ele da atençao e confere o seu precioso tempo, geralmente gasto com as cifras de Chopin e Rachmaninov.

Quando estamos juntos, a conversa gira basicamente em torno de Orson Wells, Frank Kafka, litaratura russa, pensadores atenienses, musicos vienenses, concertos, discussoes filosoficas sobre a etica humana, enfim, nada muito facil ou recomendavel para um final semana la na nossa amada e pacata cidade quase natal. O volume de raciocinios que ele produz por cada bloco de 10 minutos eh fantastico. E a prima aqui tenta acompanhar, num ritmo um pouco abaixo, mas ainda lançando uns comentarios medio-inteligentes – ao menos convenientes! – e conquisto assim preciosos minutos de atencao e conversaçao com meu querido.

Dia desses ele me veio com a ideia de que estudaria medicina, pois, fascinada pelo cerebro humando como eh, concluira que a neurologia seria o campo da ciencia no qual ele encontraria a felicidade plena. No entanto, qual nao foi minha surpresa quando, aqui mesmo no MSN, ele me disse que desistiu da ideia, nao so por que biologicas talvez nao seria muito sua praia, mas tambem porque ele nao passaria no vestibular….

Nao passaria no vestibular!!! O garoto prodigio pianista que sabe James Joyce de cor!!! Que pode citar, num pestanejar, dezenas de doenças mentais, seus estudos, as ultimas descobertas, os avanços, pelo simples prazer que a leitura de revistas cientificas o oferece!!

De outro lado, sabemos que os calouros que ingressam na faculdade de medicina enfrentam os piores trotes de boas vindas, graças ao nobre rebanho de neuronios condicionados a passar no vestibular dos veteranos, pouco brilhantes e nada ilustres futuros “doutores” do nosso Brasil.

Afora essa questao, disse a ele que era um absurdo ele nao confiar no seu potencial. Mas ele retorquiu com um argumento que entendo muito bem: “nao sei nada de exatas, portanto, nao passaria num vestibular”.

A teoria da relatividade tambem esta presente no criterio de analise de inteligencia, essa inteligencia do senso comum, que diz se voce eh ou nao capaz para certas tarefas. Somos, as vezes, tao inteligentes para uma coisa, e nao tao esperto em relaçao a outras. Ou ate no mesmo segmento verifica-se essa desigualdade inteligente. Estou atualmente lendo um livro (Ulisses), estou na pagina 23 e, ate o momento, ainda nao sei onde os personagens estao, quem sao, do que estao falando… isso porque estou acostumada a ler autores que se regozijam em fazer o leitor nao entender o que eles escrevem.

Talvez trabalhamos, nos que somos inteligentes apenas em certas situaçoes, com extremos… ora sabemos tudo, ora sabemos nada. E isso eh bom, enche-nos da humildade necessaria aos leigos, tornando-nos fortes o bastante para nos calar, em face do desconhecido, e refletir, diante do contraditorio.

As instituiçoes tao preocupadas em selecionar os melhores, aplicam provas complicadas, tendenciosas, feitas para capturar a pequena desatençao do candidato e dar a abocanhada faltal. Meu irmao, certa vez, ficou deprimido por nao ter passado num concuro publico para trabalhar no Bradesco, e ele ia ate as agencias, olhava aqueles caixas todos… aqueles funcionarios… e durante muito anos se sentiu humilhado por nao ter obtido colocaçao superior aqueles cidadaos que prestava aquele serviço de baixa eficiencia. Meu tio, no alto de sua sabedoria, ponderava: sua inteligencia nao eh a inteligencia que eles precisam. E hoje meu irmao eh um super administradore de sua escola (eh Diretor), tirando-a do buraco e elevando ao patamar da dignidade.

Penso o mesmo do meu primo. Obvio que se ele pulasse a etapa vestibular e virasse um pesquisador na seara neurologica, seria um brilhante profissional, pois eh apaixonado pela materia! Mas nao… a instituiçao vestibular prefere jovens condicionados, com os conceitos na ponta da lingua, resultado de noites sem sono, decorando a copula dos salgueiros silvestres da Cisjordania.

E podem tambem, tais instituiçoes, procurar um profissional com o mesmo perfil para julgar, em vez daquele sedento pela justiça.

Para finalizar, um ultimo comentario sobre meu primo amado. Quando ele queria botar fogo na casa em vez de se sentar calmamente, assistir ao programa da Xuxa, comendo sua farinha lactea – e com isso ele foi se enfiando no proprio casulo -eu sabia no fundo que, mesmo ele nao tendo perfil de um membro familiar exemplar, tinha toda vocaçao para ser meu primo mais querido. Entao eu o pegava no colo, contava historias para ele dormir enquanto segurava suas maozinhas sempre inquietas. E hoje, graças a Deus, estou dentre as pessoas que ele gosta. Mais felizmente ainda, estou entre as pessoas que o ama demais.

Romulo e eu, em Bananal, julho 2007

Anúncios

Sobre ruivaah

Apaixonada por livros, fotos, viagens, montanhas, bicicleta, riachos, familia, amigos e animais! Apaixonada pelo sol e pela chuva.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Inteligëncia

  1. ricardinho disse:

    depois de tantos mares nunca navegados, lá vem a ruivah mandando mais uma. sem palavras, concordo em tudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s