Ser um Randonneur

Há uns dois anos atrás me enfiei no universo dos ciclistas randonneurs. São ciclistas que percorrem longas distâncias…200, 300, 400, 600, 1000 e até 1200km!! Fiquei intrigada quando aprendi no curso de francês que o termo randonneur significa caminhada e não pedalada. Mas depois entendi o porquê deste termo ser utilizado nessas provas de ciclismo que hoje em dia tenho a alegria de organizar e ajudar a organizar.

O primeiro randonneur que eu conheci foi um homem muito educado e simpático chamado Silas Batista, que pedalou os 1200km da prova randonneur mais famosa de todas: O Paris-Brest-Paris. As provas que organizamos aqui no Brasil de 200-300-400-600km são classificatórias para a prova que chamamos de BPB, que acontece a cada três anos. 2015 é ano de PBP e todos os outros muitos randonneus que venho conhecendo nesses últimos estão animados para participarem do evento internacional. Além de pedalar essas provas, o Silas também vai visitar a filha dele em Vitória-ES, saindo de São Paulo, de bicicleta.

Depois do Silas, conheci o Rafael Dias, que hoje é um super amigo, que respeito muito pela gracinha de pessoa que é. Tive dó quando conheci o Rafael em uma prova em Holambra, pois ele tinha saído de São Paulo e ido até Holambra pedalando, pedalou a prova toda, estava dentro de um saco de lixo preto para protegê-lo do vento e da chuva e não tinha carona para voltar para São Paulo. Com meu carro cheio, fui até ele para perguntar se ele não queria que eu o ajudasse a conseguir uma carona mas ele respondeu que estava tudo bem, ele voltaria pedalando. Hoje o Rafael tem seu próprio clube Randonneur e eu o ajudo na organização.

Com o tempo fui me tornando amiga dos organizadores do Clube Audax Randonneurs São Paulo, o clube aqui da capital que organiza essas provas já há muitos anos. Tanto enchi o saco do Rogerio Polo, um super randonneur com grandes conquistas no passado e hoje anda meio paradão por problemas no joelho, e hoje sou uma voluntária e tenho grande alegria em colaborar e fazer parte da conquista dos ciclistas que vencem distâncias à primeira vista surreais em cima de uma bicicleta.

Obviamente é impossível eu falar um pouco de cada um dos randonneurs que já conheci e que venho acompanhando. Mas me emociono mais a falar daqueles que me trazem à lembrança o verdadeiro significado em francês da palavra randonneur… o da caminhada. Caminhada da vida.

O elemento que torna as provas randonneur tão mais especiais que as outras, na minha opinião, é a não competitividade entre os participantes. Todos que chegarem dentro do tempo estabelecido ganha. Ganha para si, não na frente do outro. É um desafio pessoal, solitário. Por isso, a emoção do primeiro a chegar é igual a do último, nos minutos finais…

E as historias, claro, também gosto muito. São as melhores!

Eles caem, se quebram, e depois de poucos meses estão de volta, pedalando. Trilhando esse caminho rumo ao objetivo dos 600k!

Passam por dificuldades que só eles sabem e que vêm à tona quando chegam em prantos, chorando muito mais do que aquele evento isolado mereceria, mas que está inserido em um cenário desconhecido e que se expressa ao receber a medalha de uma simples prova de ciclismo.

Pedalam por seus amigos que estão doentes, pelos amigos que já se foram. Pedalam pelos filhos que acabaram de nascer, por seus amores, juntos com seus amores, com os amores aguardando na torcida na chegada. Pedalam também para se curar de tristezas.

Eu também pedalo por tantos motivos que vão além do hobby e que só me surgem quando estou lá, exausta, tentando cumprir os últimos quilômetros dentro do tempo. Sou uma randonneur junior, pois somente fiz a distância de 200k. Não sei se tenho fôlego para encarar toda a série até os 600k… quem sabe?

Gostaria de deixar registrado aqui neste meu diário de crônicas que no próximo sábado tantos amigos queridos estarão em busca de finalizar a série Super Randonneur 600k do Clube Audax Randonneurs São Paulo e desejar sorte a todos!

Aqui abaixo uma foto para ilustrar o post:

Elaine Toledo, Daniel Labadia (meu gato!) e Fausto após o brevet 400k de Holambra, todas em 2014.

elaine_dani_fausto

 

Anúncios

Sobre ruivaah

Apaixonada por livros, fotos, viagens, montanhas, bicicleta, riachos, familia, amigos e animais! Apaixonada pelo sol e pela chuva.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s